Tritonos

TRITONOS

Se construísse-mos uma escala cromática (escala que evolui de meio em meio tom) de Dó a Dó, póderiamos observar:

(Armação usando sustenidos – #)
C, C#, D, D#, E, F, F#, G, G#, A, A#, B, C

(Armação usando bemóis – b)
C, Db, D, Eb, E, F, Gb, G, Ab, A, Bb, B, C

Se você contar o número de tons de Dó a Dó encontraria 6 tons. Trítono é o intervalo entre duas notas separadas por 3 tons, ou seja, você dividiu a escala ao meio.

As nota encontrada na escala cromática em sustenido foi o F#, e nota encontrada na escala formada por bemol foi o Gb.

Vejam agora a escala de Dó maior e seus respectivos graus:

T, 9, 3, 4, 5, 6, 7M, 8
C, D, E, F, G, A, B, C

Estas duas notas, dentro da escala diatônica de Dó formam um intervalo de quarta aumentada (F#) ou quinta diminuta (b5). A escolha do nome do intervalo depende do contexto harmônico.

Em resumo, o trítono está entre a nota C e F# ou entre C e Gb.

Que efeito produz o trítono?

O trítono provoca uma tensão muito forte, pois se a escala é dividida ao meio. Por causa disso, o trítono também provoca uma preparação.

Mas em qual acorde eu poderia usar o trítono?

O trítono existe nos acordes de categoria “dominante. O trítono está entre a 3ª e a 7ª menor deste acorde dominante.

Também existe trítono nos acordes diminutos, só que estes acordes tem dois trítonos. Um entre a tônica e a quinta diminuta e outro entre a terça menor e a sétima diminuta (bb7).

Vamos pegar como exemplo os graus do campo harmônico de Dó pra observar os trítonos. Estou usando o Campo Harmônico de Dó apenas por não conter acidentes. É importante observar em outras tonalidades.

Campo Harmônico de D´Maior em tétrades (acordes formado por 4 ou mais notas):

C7M, Dm7, Em7, F7M, G7, Am7, Bm7(b5)

Os acordes da categoria dominante deste Campo Harmônico são o Vº e o VIIº grau, respectivamente G7 e Bm7(b5).

No acorde G7 o trítono está entre a terça (Si) e a sétima menor (Fá). Veja que de Si para Fá temos 3 tons inteiros.

No acorde Bm7(b5) o trítono está entre a tônica (Si) e a quinta diminuta (Fá).

Se você pegar um acorde G7(9) e observar a sua formação, verá que tem as mesma notas e o mesmo trítono na sua formação:

G7(9) –> G(T), B(3), D(5), F(7), A(9)

Bm7(b5) –> B(T), D(b3), F(b5), A(7)

Isso sugere substituições de acordes.

Nos acordes diminutos, que não é o caso do Bm7(b5) por conter sétima menor e não sétima diminuta, existem dois trítonos.

Bdim ou Bº –> B(T), D(b3), F(b5), Ab(bb7)

bb7 = sétima diminuta

Veja que o trítono está entre o B e o F, e o outro trítono está entre o D e o Ab.

Resolução dos Trítonos:

O trítono no acorde G7, Bm7(b5) e no Bdim tem sua resolução no acorde que exerce a função de Tônica, ou seja, no Iº grau –> Dó maior

Progressões:

| G7 | C7M |

| G7 | C |

| Bm7(b5) | C7M |

| Bm7(b5) | C |

| G7 Bm7(b5) | C |

| G7 | Cm |

| Bdim | C |

| Bdim | Cm |

Experimente todas estas resoluções, ou preparações.

Trítonos Gêmeos

Se dentro de um acorde G7 existe um trítono entre a terça maior (B) e a sétima menor (F),

O que poderia acontecer se invertêsse-mos o trítono de B para F, e transformasse de F para B ?

Pra começar, teríamos os mesmos 3 tons para cada lado. Ou seja, até aqui não mudou nada significativo.

Agora se eu encarasse sobre esta inversão o F como terça maior e o B como sétima menor?

Bom, agora teríamos um outro acorde (que não pertence ao Campo Harmônico de Dó) com o mesmo trítono.

O acorde que teria o trítono gêmeos é o Db7.

O Fá é a sua terça maior e o Si é a sétima menor.

O acorde Db7 pode substituir o G7 por conter o mesmo trítono, só que invertido.

É comum vermos progressões que tenha um Db7 preparando um C

Neste caso, o acorde Db7 entraria pra uma função de “substituto do dominante”, também conhecido como SubV7, pois substitui o V7º grau.

Observem em finais de blues este exemplo usando um Db7 preparando um C7:

e—-4—–3——————————————–
B—-6—–5————————–4—–3———
G—-4—–3—– ou – com 9ª –4—–3———
D—-6—–5————————–3—–2———
A—-4—–3————————–4—–3———
E——————————————————–

É, tem até o famoso trítono usado muito em rock, com bends de meiotom.
O trítono está no acorde de Ré passando pra Lá maior:

e——8b–8b——–5———————————-
B——7b–7b——-5———————————-
G———————-2———————————-
D———————————————————-
A——–Ré——–Lá———————————-
E———————————————————
b = bend

Outro lick legal pra usar em rock. Uma passagem de G7 para C. No final aparece um trítono entre E e Bb, estas são trítonos de Dó. Dê uma vibrade de leve sobre este trítono e depois deixe soar.

e——————————7~~~——8————————————
B—————–3-5-6—–6~~~——-8————————————
G————4——————————9———3-deixe soar———-
D—-2/3———————————————-2~~~~~~~~~~~—-
A———————————————————————————-
E—-Sol (trítonos)——————–Dó——-trítono de Dó———-

No Blues

É muito comum no blues usar acordes dominantes, ou seja, acordes com sétimas menores. Aproveitando isso, o blues usa o trítono de uma forma muito inteligente e vale a pena observar. Vamos fazer uma progressão em C7, F7, G7… o famoso blues I7, IV7, V7.

Vou usar os trítonos de:

C7 –> Bb(7) e E(3)

F7 –> A(3) e Eb(7)

G7 –> B(3) e F(7)

Observe na tablatura que o F7 e o G7 estão distantes de Dó por apenas meio tom, usando o mesmo desenho e na mesma corda. Pra mim isso é fantástico e abre um leque de possibilidades harmônicas e melódicas.

Vejam:

e——————————————————
B——————————————————
G—9———8——-9——-10——9———–
D—8———7——-8——–9——-8———–
A——————————————————
E–C7——F7—–C7——G7—–C7———-

Trítono e Modulação

A parte mais legal do trítono é quando ela abre passagem pra outros tons ou só sair um pouco do tom (coisa que o campo harmônico acaba impondo nas composições).

O trítono é como uma porta de entrada e saída pra outros acordes.

O mais natural numa música que está no tom de Dó é aparecer o acorde de Ré menor e Lá menor e não Ré maior e Lá maior. O trítono quebra essa barreira.

Se o trítono é encontrado nos acordes dominantes, e o principal dominante corresponde ao Vº grau, então podemos desencadear um processo de “dominantes secundários”.

Após o Dó surgirá um A7, que por sua vez vai preparar para um D7, e este um G7 e depois prepara para Dó novamente, criando um círculo harmônico.

| C | A7 | D7 | G7 | C |

A escala mais óbvia pra se solar sobre os acordes com trítono é o mixolídio.

Trítonos Gêmeos e o Blues

Como pode ser visto no assunto anterior sobre trítonos gêmeos, o acorde que tem o mesmo trítono, só que invertido é o #IVº ou bVº graus. Ou seja, o mesmo trítono que forma o G7 forma também o Db7. E como um pode substituir o outro (dependendo do momento é claro), podems fazer o mesmo pelos outros dominantes, usando os dominantes secudários junto com os substituto do dominante (SubV7).

O mais interessante é que o SubV7 fica apenas meio-tom acima do acorde que va resolver. Por exemplo, o mesmo G7 e Db7 (os dois são equivalentes) que prepara o Dó, temo Db7 que está só meio-tom acima de C, que é o acorde de resolução.

Então, se num clichê de blues (I, IV, V) eu aplicar os SubV7’s de cada um, eu teria mais 3 acordes, ficando com 6 no total.

Um blues de 12 compassos:

||: C7 | F7 | C7 | C7 C7 C7 Gb7 | F7 | F7 |

| C7 | C7 C7 C7 Ab7 | G7 Gb7 | F7 | C7 | G7 G7 G7 Db7 :||

Anúncios

3 comentários sobre “Tritonos

  1. Sr.Marcel, agradeço por vc dividir explicações e seu tempo com os demais que se interessam por musica e toda sua formação. sou musico autodidatico, gostaria de saber outras informações sobre musica.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s